Fronteiras da História

  • Alan Sampaio Professor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Mestre em Filosofia pela Universidade Federal da Bahia.
Palavras-chave: história, consciência histórica, memória, esquecimento, horizonte, perspectivismo

Resumo

A partir da crítica à historiografia oitocentista, efetuada por Nietzsche na segunda Consideração extemporânea, objetiva-se mostrar como ele contribui para a formação da consciência histórica. Segundo Nietzsche, o excesso de consciência histórica do homem moderno é uma “doença” derivada da constituição de uma teoria galgada na idéia de justiça, cujo correlato encontra-se na pretensão de neutralidade do conhecimento científico. Através da crítica a tal tipo de objetividade, bem como à idéia de progresso, Nietzsche fala da necessidade de a história interpretar a si mesma, ou seja, de uma séria reflexão da consciência e da ciência sobre seus próprios limites.

Referências

AUERBACH, Erich. “A cicatriz de Ulisses”. In: Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. [s.t.]. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

BENJAMIN, Walter. “Sobre o conceito da história”. In: Obras escolhidas, v. 1: Magia e técnica, arte e política. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985.

ELIADE, Mircea. O mito do eterno retorno: arquétipos e repetição. Tradução de Manuela Torres. Lisboa: Edições 70, 1988.

FOUCAULT, Michel. “O que é o Iluminismo”. In: Dossier Foucault. Rio de Janeiro: Livraria Saurus, 1984.5. GADAMER, Hans-Georg. A atualidade do belo: arte como jogo, símbolo e festa. Trad. Celeste Aida Galeão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985.

_______. Verdade e Método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Trad. Flávio Paulo Meurer. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Parte II. Tradução de Márcia de Sá Cavalcante. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

HERÔDOTOS. História. Tradução e introdução de Mário da Gama Kury. 2. ed. Brasília: UnB, 1988.

KANT. Idéia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita. In: GARDINER, Patrick. Teorias da história. Tradução e prefácio de Vítor Matos e Sá. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1984.

LORAUX, Nicole. “Elogio do anacronismo”. Trad. Maria Lúcia Machado. NOVAES, Adauto (Org.). Tempo e história. São Paulo: Companhia das Letras/ Secretaria Municipal de Cultura, 1992.

MIRANDA, José A. Bragança de. “Nietzsche e a modernidade: considerações em torno da II Intempestiva”. In: MARQUES, António (Org.). Friedrich Nietzsche: cem anos após o projecto “vontade de poder – transmutação de todos os valores”. Lisboa: Vega, [s.d.].

NIETZSCHE, Friedrich. A filosofia na idade trágica dos gregos. Tradução de Maria Inês Madeira de Andrade. Rio de Janeiro: Elfos/ Lisboa: Edições 70, 1995.

_______. A gaia ciência. Tradução, notas e posfácio Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

_______. Considerações intempestivas I e II. Tradução de Lemos de Azevedo. Lisboa: Presença/ São Paulo: Martins Fontes, [1976].

_______. Fragmentos finais. Seleção, tradução e prefácio de Flávio R. Kothe. Brasília, UnB/ São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2002.

_______. Genealogia da moral: uma polêmica. Tradução, notas e posfácio Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

_______. Sobre la utilidad y los prejuicios de la historia para la vida. Traducción: Dionisio Garzón. Madrid: EDAF, 2000.

OLIVEIRA FILHO, Jesiel Ferreira de. “O regresso das memórias”. In: Leituras pós-coloniais de comemorações lusófonas. Salvador, 2003. 180f. Dissertação de Mestrado em letras e lingüística do Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia.

SOUSA, Eudoro de. História e mito. Brasília: UNB, 1981.

Publicado
2019-03-06
Seção
Artigos Originais