Ciência como continuação da arte em Humano, demasiado humano

  • Alice Medrado Mestranda em filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Minas Gerais/MG, Brasil.
Palavras-chave: arte, ciência, Humano, demasiado humano

Resumo

Neste artigo, analisamos brevemente as inovações trazidas à tona por Humano, demasiado humano no que diz respeito ao papel da arte e da ciência na cultura, buscando uma melhor compreensão da afirmação nietzschiana de que “o homem científico é a continuação do homem artístico” (MA I/HH I § 222, KSA 2.185).

Referências

COMTE, A. Opúsculos de filosofia social. Trad. Ivan Lins e João Francisco de Souza. Porto Alegre: Editora Globo, 1972.

FREZATTI JR., W. A. Nietzsche contra Darwin. São Paulo: GEN/Discurso Editorial/Editora UNIJUÍ, 2001 (Coleção Sendas & Veredas).

HAN-PILE, B. “Aspectos transcendentais, compromissos ontológicos e elementos naturalistas no pensamento de Nietzsche”. Trad. André Luís Mota Itaparica. In: Cadernos Nietzsche, São Paulo, n.29, GEN 2011.

KANT, I. Crítica da Razão Prática. Trad. Afonso Bertagnoli. São Paulo: Brasil Editora S.A., 1959.

LANGE, F. A. The History of Materialism and Criticism of its Present Importance. New York: Hacourt, Brace & Co., 1925.

LOPES, R., Ceticismo e vida contemplativa em Nietzsche. Tese de doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Minas Gerais, 2008.

NIETZSCHE, F. Humano, demasiado humano – um livro para espíritos livres. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

_______. A gaia ciência. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

_______. O nascimento da tragédia – ou helenismo e pessimismo. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

PEARSON, K. A. “Nietzsche’s Brave New World of Force”. In: Pli: Warwick Journal of Philosophy, University of Warwick, 2000, v. 9, p. 6-35.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e representação. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

Publicado
2019-03-06
Seção
Artigos Originais