A psicologia moral minimalista de Nietzsche

  • Bernard Williams Professor Catedrático de Filosofia Moral em Oxford, Oxford, Inglaterra.
Palavras-chave: psicologia moral, realismo, vontade, censura

Resumo

Neste artigo, Bernard Williams aponta as dificuldades de definição do que seria uma psicologia moral “naturalista”. Segundo o autor, as tentativas de Nietzsche no sentido de deflacionar o vocabulário moral usado na explicação de fenômenos psicológicos morais com o auxílio de informações provenientes da observação de domínios não morais da experiência humana podem ser mais bem entendidas como um tipo de “realismo”. Williams, então, aplica esta chave de leitura ao exame nietzschiano do problema da “vontade”, ao qual se liga uma concepção peculiar das condições para a atribuição de responsabilidade e censura.

Referências

NIETZSCHE, F. Sämtliche Werke.Kritische Studienausgabe. Organizada por Giorgio Colli e Mazzino Montinari. München, Berlin/New York: Walter de Gruyter, 1980, 15 v.

__________. Beyond Good and Evil. Trad. Walter Kaufmann. New York, 1966.

__________. Daybreak. Trad. R. J. Hollingdale. Cambridge: Cambridge University Press. 1982.

__________. The Genealogy of Morals. Trad. Walter Kaufmann e R. J. Hollingdale. Nova York, 1967.

NOZICK, Robert. Philosophical explanation. Oxford: Oxford University Press, 1984.

Publicado
2019-03-06
Seção
Artigos Originais