O arqueólogo do saber é um leitor de Nietzsche?

Nietzsche como enuncidado

  • Carlos Eduardo Ribeiro Professor da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Campus Diadema, São Paulo, Brasil.
Palavras-chave: Foucault, interpretação, modernidade, arqueologia, enunciado

Resumo

Assumindo como referência geral alguns aspectos da “leitura” que Foucault faz de Nietzsche durante a fase arqueológica do seu pensamento, investigamos a função que as noções de modernidade, interpretação e história desempenham nesse contexto. Procuramos conduzir a análise de modo a mostrar que, se há uma “leitura” do arqueólogo do saber do pensamento de Nietzsche, ela está atrelada ao intento de fazer deste nome um enunciado para experimentar a história.

Referências

CANGUILHEM, G. Mort de l’homme ou épuisement du cogito? Critique. Paris: Éditions de Minuit, t. 24, n. 242, p. 599-618, juillet 1967.

DAVIDSON, A. I. Archaeology, Genealogy, Ethics. In: HOY, C. D. (Ed.). Foucault: A critical reader. New York: Basil Blackwell, 1987. p. 221-233.

DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica – para além do estruturalismo e da hermenêutica. Trad. Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. Trad. Salma Tannus Muchail. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. Dits et écrits I – 1954-1975. Paris: Gallimard, 2001.

______. Dits et écrits II – 1976-1988. Paris: Gallimard, 2001.

______. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002, p. 124.

______. A verdade e as formas jurídicas. Trad. Roberto Machado. 3. ed. Rio de Janeiro: NAU, 2005.

______. História da loucura na Idade Clássica. Trad. José Teixeira Coelho Neto. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da Modernidade. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HAN, B. L´ontologie manquée de Michel Foucault. Grenobel: Editions Jérôme Millon, 1998.

MACHADO, R. Ciência e saber - a trajetória da arqueologia de Foucault. Rio deJaneiro: Graal, 1981.

MACHEREY, P. Nas origens da história da loucura. In: RIBEIRO, Renato Janine (Org). Recordar Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 70.

MAJOR, R. Crises da razão, crises de loucura, ou a “loucura” de Foucault. In: ROUDINESCO. E. Foucault - Leituras da Historia da Loucura. São Paulo: Relume-Dumara, p. 37-52, 1994.

MARIETTI, A. K. Michel Foucault: archéologie et généalogie. Paris: Librairie Générale Française, 1985.

MARTON, S. Extravagâncias: ensaios sobre a filosofia de Nietzsche. São Paulo: Discurso Editorial, 2000.

______. Nietzsche: das forças cósmicas aos valores humanos. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1990; Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2000.

MELÉNDEZ, G. Homem e estilo em Nietzsche. Cadernos Nietzsche, Discurso Editorial, São Paulo, n. 11, p. 16, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich. Sämliche Werke. Kritische Studienausgabe. Edição organizada por Giorgio Colli e Mazzino Montinari, 15 volumes. Berlim/Munique, Walter de Gruyter & Co., 1967-78 (edição 1999)

______. Genealogia da moral. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

______. Além do bem e do mal; Prelúdio de uma filosofia do futuro. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

______. Ecce Homo; Como alguém se torna o que é. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

______. Oeuvres philosophiques completes. Fragments posthumes, automne 1885-automne 1887. Textes et variantes établis par G. Colli et M. Montinari Paris : Gallimard, 1988,1990.

ROUSSEL, .Y. Le mouvement d´écrire. In: GIARD, Luce (Dir.). Michel Foucault: lire l’oeuvre. Grenoble: Jérôme Millon, 1992.

WOTLING, P. A escrita filosófica “Como eu poderia escrever para leitores ?” A especificidade da escrita filosófica em Nietzsche. In: SILVA JUNIOR, I. (org.). Filosofia e Cultura. Festschrift para Scarlett Marton. São Paulo: Barcarolla, 2011.

Publicado
2019-03-06
Como Citar
Ribeiro, C. E. (2019). O arqueólogo do saber é um leitor de Nietzsche?. Cadernos Nietzsche, (30), 251-285. https://doi.org/10.34024/cadniet.2012.n30.7748
Seção
Artigos Originais