Nietzsche e a história:

o problema da objetividade e do sentido histórico

  • Márcio José Silveira Lima Professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Campus Prof. Edgar Santos/Barreiras, Bahia, Brasil. Tutor PET Humanidade
Palavras-chave: sentido histórico, objetividade, história, cultura

Resumo

seguindo a indicação de Nietzsche de que sua crítica à modernidade visa a desmascarar noções como a de compaixão pelo sofredor, objetividade e sentido histórico, este artigo pretende analisar a relação que estes dois últimos conceitos têm na obra do filósofo. Elegendo a Segunda Consideração Extemporânea, Sobre a utilidade e a desvantagem da história para a vida, como ponto de partida para a análise, buscamos entender como a relação se estabelece ao longo da obra, além de fazer uma breve caracterização da recepção à obra nietzschiana a partir dessa relação. Assim, o texto é dividido em três partes. Na primeira, analisa-se a relação entre objetividade e sentido histórico na Segunda Extemporânea. A seguir, investiga por que Nietzsche abandona a questão da objetividade em relação ao problema da história. Por fim, apresenta brevemente como a relação entre objetividade e sentido histórico nos ajuda a compreender a recepção à obra de Nietzsche no Brasil.

Referências

FOUCAULT, M. Nietzsche, a genealogia e a história. In. Microfísica do poder. Trad. de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

JENSEN, A. K. “Geschichte or Historie? Nietzsche’s Second Untimely Meditation in the Context of Nineteenth-Century Philological Studies”. In. Nietzsche on time and

history. Berlim/Nova Iorque: Walter de Gruyter, 2008, p. 213-229.

HEIDEGGER, M.. Ser e tempo. Trad. Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes, 1989.

________. “Quem é o Zaratustra de Nietzsche?”. In. Ensaios e conferências. Trad. Gilvan Fogel. Petrópolis/Bragança Paulista: Ed. Vozes/Univ. São Francisco, 2002, p. 87-110.

MARTON, S. Nietzsche e cena brasileira. In. Extravagâncias: Ensaios sobre a filosofia de Nietzsche. São Paulo/Ijuí: Discurso Editorial/Ed. Unijuí, 2000, p. 203-208.

__________. Nietzsche, das forças cósmicas aos valores humanos. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2010.

NIETZSCHE, F. Sämtliche Werke. Kritische Studienausgabe, Berlim: Walter de Gruyter & Co., 1967/1978. 15 vols. (Organizada por Giorgio Colli e Mazzino Montinari).

________.Obras Incompletas. Col. “Os Pensadores”. Trad. Rubens Rodrigues. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

_________. Humano, demasiado humano. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

__________. Além do bem e do mal. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Cia. das Letras, 1999.

__________. Genealogia da moral. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Cia. das Letras, 1998.

__________. Crepúsculo dos ídolos. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Cia. das Letras, 2006.

_________. Ecce Homo. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Cia. das Letras, 1999.

RICOUER, P. A memória, a história o esquecimento. Trad. Alain François et al. Campinas: editora Unicamp, 2010.

Publicado
2019-03-06
Como Citar
Lima, M. J. S. (2019). Nietzsche e a história:. Cadernos Nietzsche, (30), 159-181. https://doi.org/10.34024/cadniet.2012.n30.7745
Seção
Artigos Originais