[1]
T. L. Gil, “Sobre big data e neo-positivismo digital na pesquisa em história”, ALM, nº 36, abr. 2024.